sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

o meu cheiro

Desde sempre que tenho um nariz apurado. Juro que sinto cheiros a milhas e consigo decifrar imensas coisas com este nariz supersónico com o qual fui abençoada - às vezes é uma chatice porque fico rapidamente agoniada com aromas tipo peixe (não aguento!).
Tudo isto para dizer que não há nada melhor do que quando uma pessoa passa por nós e deixa um cheiro de perfume no ar, principalmente homens eheh! Quando era mais nova ainda andei a saltitar nuns quantos perfumes - lembro-me que durante uns anos usei o Ralph da Ralph Lauren e o Touch of Pink da Lacoste - até encontrar o meu cheiro.

Muita gente goza comigo quando eu lhes digo qual é o meu perfume favorito, aquele que uso desde os meus 14 anos non stop, mas para mim nunca há nenhum que ultrapasse a perfeição que é o Fantasy da Britney Spears. É um cheiro doce e floral, tal como eu gosto! Assim que um acaba vou logo a correr comprar outro e o que vale é que não é nada caro, um dos grandes custa-me menos de 50€.
Para além de este há outros dois que também habitam o meu top 3 de perfumes favoritos: o Black Opium da Yves Saint Lauren e o Juicy Couture da Juicy Couture. Há um tema recorrente nestes aromas, são todos muito doces! Muitas vezes encontro outros que goste (como o Decadence da Marc Jacobs ou o Candy da Prada) mas estes três são aqueles que para mim serão os meus favoritos e claro que o Fantasy é definitivamente o meu cheiro.
Adoro quando me dizem "Este cheiro és tão tu, Joana!" quando sentem o da Britney no ar.


E para vocês, qual é o vosso cheiro? O vosso perfume favorito?

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

uma garota precisa de ideias

Depois de ter encomendado três vezes o pacote de 25 fotografias grátis da Parabo Press (que dá um total de 75 fotografias caso sejam maus a matemática) não sei onde é que as hei-de colocar. Aliás, sei onde mas não sei a disposição.
A minha main idea é colocar várias molduras de tamanhos e feitios diferentes (cores: douradas, brancas e poucas prateadas) à volta do meu espelho com várias pics que me irão relembrar os meus golden days. O problema é que as fotografias são em tamanho polaroid e ou coloco várias numa moldura ou então só uso molduras pequeninas, o que está fora de questão.
Eu sei que isto resolve-se rapidamente, é só ir ali a uma loja qualquer e imprimir algumas num tamanho maior mas enquanto eu sou preguiçosa gostava de ir organizando a coisa. Fui até ao Pinterest e tirei estas ideias que me pareceram as mais fazíveis.

Perfect for our walls!!                                                                                                                                                                                 More
A Fun and Easy Instant Photo Display | Yellow Brick Home

O que é que acham? Têm ideias giras? Se tiverem, desembuchem!
Está fora de questão colocá-las na parede sem moldura ou naqueles fios tipo feirinha popular, só para vos poupar, caso seja isso que iam sugerir :)

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

CINEMA | Black Panther

Levada por todos os burburinhos na internet e pelas (tantas!) boas criticas que li por aí ontem agarrei no F. e fomos ver o tão aclamado Black Panther.

O filme da Marvel Studios "Black Panther" conta a história de T'Challa, que depois da morte do seu pai, o Rei de Wakanda, volta a casa, à nação africana isolada e tecnologicamente avançada, para subir ao trono e assumir o seu lugar como rei. Mas, quando um antigo e poderoso inimigo reaparece, a força de T'Challa como rei e Black Panther é testada, quando é atraído para um conflito que coloca o destino de Wakanda e do mundo em risco.

Não sou fã da Marvel - de todo! - nem de filmes de super heróis ou coisa parecida mas fiquei rendida à história de Wakanda e do rei T'Challa. Digo-vos sinceramente que está incrível!
Todos os adereços são réplicas (e se não são réplicas são fielmente inspirados) de objectos e costumes de tribos verdadeiras e ainda a língua falada no filme é uma língua real usada em África. Visualmente é daquelas filmes que nos agarra, tem tanta coisa a acontecer e tantas cores e coisas chamativas que nem sabemos para onde olhar primeiro.
Admito que em termos de storyline não é nada de outro mundo, é um típico filme de super heróis em que o bom ascende, tem um percalço com um vilão que consegue reinar durante 15 minutos mas depois o herói consegue dar a volta àquilo tudo e restaurar a paz. É o clássico destes filmes não é? Não se pode esperar assim muito mais.

Uma coisa fantástica que me fez dar gritos interiores é a abundância de girl power neste filme! Adorei as guerreiras protectoras do rei, dando a minha standing ovation à actriz Danaya Guria que faz de fantástica Okeye, a minha personagem favorita. O Daniel Kaluuya também participa neste filme - devem conhece-lo do aclamado 'Get Out' - e foi mais uma vez uma agradável surpresa, gosto imenso dele. Infelizmente, a prestação do Michael B.Jordan não foi boa como o resto do elenco, é o típico vilão sem grande profundidade que não cria qualquer laço com o espectador. É chato porque é um actor que eu gosto muito (para além de ser muito gato, não acham? ahha) e fiquei um tanto meh depois do filme ao pensar no que é que ele trouxe de novo à película.

O melhor de tudo? A banda sonora! Protagonizada pelo Kendrick Lamar - que para mim é dos melhores rappers da actualidade - temos uma panóplia de sons maravilhosos que acompanham as cenas na perfeição. Antes do filme já andava viciada na Pray for Me dele com o The Weeknd mas desde ontem que não paro de ouvir a fantástica All the Stars em parceria com a SZA.


Como o filme, o videoclip em termos visuais não desilude e está incrivel. E digam lá se esta música não está para lá de boa? Aqui tem estado em modo repeat!
É um filme giro e dá para divertir mas que ao mesmo tempo dá que pensar em certos aspectos tão reais nos dias de hoje, infelizmente. Aconselho.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

um quarto de século

Antes de mais quero agradecer a tod@s as mensagens de parabéns, é óptimo sentir carinho desse lado! :)
Tive um dia óptimo ao lado das pessoas que mais gosto. Há muito tempo que não me sentia tão preenchida com um dia de anos, geralmente tenho umas horas boas mas outras iguais a tantos outros dias mas desta vez foi diferente.
Desde a manhã até à 00h00 que foi incrível sempre a fazer coisas que deixaram satisfeita e a sentir-me bem com o patamar onde estou na minha vida. Claro que já podia estar a receber não sei quantos milhares por mês mas, enquanto isso não acontece há que se sentir contente com aquilo que se tem!

Mas vamos lá falar daquilo que interessa: o que é que recebeste Joana? perguntam vocês. O F. deu-me uns Vans pretos clássicos que eu já queria há um tempão e a minha melhor amiga deu-me o que posso classificar como o meu presente favorito - um álbum da Mr.Wonderful que está intitulado como "Juntas até ao fim do Universo" e lá dentro estava cheio de fotografias nossas e histórias que contam memórias incríveis sobre a nossa amizade. E o melhor de tudo, assim que o abri tinha uma fotografia do meu Piki, o meu gatinho adorado que infelizmente tive que mandar abater no ano passado. Foi tiro e queda para me cair uma lágrima do olho. Entretanto também recebi uma caixa gigante da minha tia e ao abrir tinha lá três presentes: umas babuxas prateadas que ela me trouxe de marrocos juntamente com uns brincos e uma carteira da Bimba y Lola que eu já andava a namorar desde Dezembro (esta aqui, digam lá se não é perfeita)! O resto da familia deu-me dinheiro mas o melhor de tudo foi sentir que tenho pessoas tão boas à minha volta e que me fazem sentir amada! Juro que não sou nada destas coisas e odeio estes momentos melosos mas às vezes têm que ser ditos.

Mais uma vez, obrigada por todos os parabéns no post abaixo! :)


P.S: alguém me sabe dizer porque é que as fotografias dos meus posts abaixo sobre Amsterdão não aparecem? Ou é só no meu computador?

sábado, 17 de fevereiro de 2018

happy birthday to me!

Resultado de imagem para cats in party hats

Nem acredito que hoje, dia 17, faço 25 anos

Parabéns a mim e à Paris Hilton, já que partilhamos o dia de aniversário que, na minha opinião, devia ser feriado mundial.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

MMFB TRAVELS | Amsterdão: um amor inesperado - part.III

últimos relatos de 3 dias e meio incriveis

Dia 3: este foi o nosso dia em slow motion e provavelmente por isso o meu favorito. Inicialmente tínhamos o plano de acordar cedo e ir até à estação central para apanhar o autocarro para a zona dos moinhos, Zaanse Schans, mas pela primeira vez ficamos na cama até mais tarde (tínhamos estado a acordar todos os dias às 8h) e só saímos lá para as 10h. Soube bem obviamente, andávamos super cansados de andar imenso todos os dias e é sempre bom ficar na ronha, nem que seja apenas mais duas horas do que o suposto!
Depois de finalmente sairmos do hotel decidimos voltar à zona do mercado - Albert Cyup - para comprarmos umas lembranças para a família. A minha avó é super fã de ímans para pôr no frigorífico por isso comprei-lhe um e ainda comprei uns queijos e umas bolachas típicas (aquelas que têm caramelo por dentro, se colarem no microondas antes é uma delicia!).
Ainda demos umas voltas numas quantas bancas de roupa onde o F. comprou uns casacos e começamos a andar em direcção a norte e quando demos por nós estávamos outra vez em Koningsplein (a zona do mercado das flores).


Decidimos procurar uma coffeeshop que se chama Dampkring porque é das mais famosas na cidade já que o elenco do filme Ocean's Twelve passou lá imenso tempo durante as gravações do filme. Encontrámos obviamente mas nenhum de nós estava com uma vontade imensa de entrar por isso decidimos ir à procura de um sitio para almoçar e acabamos por encontrar um restaurante fantástico com paredes de vidro onde comi uma massa fabulosa! Chama-se Caffe Esprit e vale a pena e melhor de tudo? Zero caro.
Após o almoço passamos a tarde na zona de Rembrandtplein e ao pé do Hortus Botanicus. Acho que este foi o dia que tirei menos fotografias! Talvez por estar tão inebriada com o que estava a conhecer que nem me lembrei de tirar imensas pics como estou habituada.


 Passamos pela casa do Rembrandt e ficamos ali durante um tempo sentados num banquinho de jardim ao pé do Hortus Botanicus enquanto falávamos e apenas víamos o tempo passar! Sabe bem apreciar e observar as cidades assim, como se tivesse em "casa", sentada num sitio qualquer com os amigos.
Mais para o fim da tarde decidimos ir até ao hotel para deixarmos as compras que tinhamos feito e passamos por mais uma zona engraçadissima com montras de partir a rir como esta em baixo.


Acho o máximo eles não terem problemas em dizer certas coisas ou mostra-las. O sexo (ou drogas) é tão normal para eles que estão-se completamente a borrifar se têm coisas com palavras tipo pussy ou dick ou whatever em sitios públicos. Não era tão melhor se as pessoas deixassem de ser tão uptights e sempre tão severas com coisas naturais? Sei lá, é o meu momento filosófico no meio deste post de viagens mas irrita-me imenso as pessoas serem tão cocozinhas com o sexo ou com a nudez. Irrita-me!
Anyways, depois de irmos ao hotel fomos até Dam para eu ir à Footlocker comprar um chapéu da New Era que já queria há imenso tempo e toda a gente, mas toda a gente em Amsterdão tinha e então tive que ceder à pressão e comprar o meu ali mesmo haha! Foi €4 mais caro do que se fosse aqui em Portugal mas oh well, fica como se fosse um souvenir de mim para mim!
Depois de sairmos dessa zona mais comercial voltamos a descer porque o F. queria ir a Spuin para comprar umas coisas para os amigos numa loja que havia lá e eu agradeci 300 vezes porque para além de ser a minha zona favorita ainda estava a cismar com aquele colar que me era impossível comprar.


Acabei por conseguir encontrar um colarzinho amoroso numa loja à frente do Amsterdam Museum! É rose gold e é óptimo porque é banhado a ouro ou seja posso tomar banho com ele sem qualquer problema, não tenho que me preocupar se vai perder a cor. O pendente é aquele olho da Chiara Ferragni sabem? Adoro-o e já vi tatuagens super giras com este desenho! 
Acabamos por nos sentar na New Times Coffeeshop - a minha favorita em Amsterdão - e comprei dois space cakes um médio e um forte. Bem, o médio não me fez nada talvez por já estar habituada aos outros das outras lojas que eram mais fortes mas o outro funcionou e bem! Ficamos por lá a beber um chá e basicamente a ver o sol pôr-se na cidade.


Jantamos na zona, num italiano - para não variar - e fomos até à Royal Queen Seeds e ainda passamos na zona da Sensi Seeds onde têm umas plantações (ok, não são umas plantações a sério, são tipo uns vasos com vários diferentes tipos de plantas para as pessoas verem) e um museu. Sítio giro e diferente para recordar, mas que não faz muito o meu género porque interesso-me zero por erva para ser sincera mas como o F. queria ver, às vezes temos que fazer a vontade aos nossos queridos namorados (mas só às vezes ahha!). 

Dia 4 - Tinha chegado o último dia nesta cidade maravilhosa, cidade essa que eu estava mais que desgostosa por abandonar. Juro, adorei! Não queria mesmo ir-me embora já. Fizemos o checkout do hotel e fomos para a Estação Central onde tomamos o pequeno almoço num cafézinho francês com direito a concerto de uma pianista (está no meu instastories!).
Depois disto estava na hora de dizer adeus e entrar no comboio em direcção a Eindhoven para embarcarmos no voo para Lisboa.


A viagem faz-se super bem, demora tipo 1h30 e depois têm um shuttle que vos leva até ao aeroporto que demora 15/20 min. O aeroporto não tem nada para fazer ou ver por isso não vos aconselho a irem muito tempo antes senão vão ficar à seca como eu e o F.

O que é que eu posso dizer desta viagem? Adorei simplesmente. Já estou a pensar na próxima vez que poderei voltar a esta cidade maravilhosa! Provavelmente irei fazê-lo quando já estiver calor porque Deus me livre aguentar aquelas temperaturas da Antárctida outra vez! Mas aconselho-vos tanto a visitarem Amsterdão, se estiverem à procura de um sitio para ir escolham esta cidade, é mais que maravilhosa e cheia de coisas para ver e descobrir!

Amsterdão, roubaste-me o coração!
Irei voltar, sem dúvida!


PS: todas as fotografias são da minha autoria, NÃO USAR sem pedir autorização previamente

PS2: sabem quem é que faz anos amanhã? Eu mesma! 

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

MMFB TRAVELS | Amsterdão: um amor inesperado - part.II

E a aventura continua...

Dia 2: No nosso segunda dia, acordamos bem cedinho e fomos até Dam. Estavamos com sorte porque apesar do forecast de chuva não apanhamos nem um pingo! Começamos a andar para o lado oeste da praça principal à procura de um sitio que eu tinha visto na net, o Pancake Bakery, e queria mesmo tomar lá o pequeno almoço.
Bem, o que não falta em Amsterdão são sítios para nos deliciarmos, então se forem fãs de panquecas - como eu! - estão super bem servidos! Há casa de panquecas loja sim loja sim, é só tipo o paraíso!
Como estava a dizer, iamos em direcção a esse restaurante e passamos por imensos sitio icónicos como a casa da Anne Frank. Não fomos porque para além das filas serem enormes, só podem estar 15 minutos dentro daquele cubículo que são logo expulsos para outro grupo entrar. Vou guardar as imagens que vi no filme "The Fault in our Stars" e vou fingir que entrei lá haha! Não, agora a sério, na próxima vez que for lá é óbvio que tenho que pôr lá os pés mas como fomos apenas 3 dias e meio não me pareceu assim tão urgente e o F. estava tão traumatizado com as filas que pediu-me a pés juntos para não irmos.


Uns metros à frente finalmente encontramos a Pancake Bakery mas rapidamente demos meia volta e viemos embora: €15 por uma panqueca? Os queridos não estavam bem claramente! O frio deve-lhes ter dado a volta à cabeça!
Continuamos a andar e encontramos um cafezinho italiano maravilhoso, o Rigoletto Café, com a montra mais apetitosa! Decidimos entrar e desfrutar de um pequeno almoço em cheio para nos dar energia para o dia que tínhamos pela frente!


As pessoas têm a percepção que Amsterdão é caríssima mas a verdade é que têm apenas que procurar pelos sítios certos e não aceitar tudo o que lhes aparece à frente tipo um cavalo com palas. Por exemplo, como é óbvio não íamos pagar €15 por uma panqueca não é? Andamos mais para a frente e encontramos este cafézinho amoroso (e delicioso!) e por um pequeno almoço gi-gan-te pagámos €18! E ao lanche fomos lanchar a uma casa de panquecas em que pagamos tipo €4/€6 por cada uma, basta apenas procurar e não ir a sítios pertíssimo das maiores atracções turísticas!
Anyways, ficamos ainda um tempinho por essa zona a passear junto dos canais e a ver as casa-barco. O F. estava deliciado e só dizia "deve ser o máximo viver numa casa destas" mas eu só pensava na humidade que deve ser viver num barco e admito que faz-me um bocado impressão não estar em terra firme. A vocês não? Água não é definitivamente o meu elemento!


Voltámos à Dam Square - que é como quem diz à praça principal - onde estivemos a ver o palácio real de Amsterdão que tem uns detalhes maravilhosos no topo! Tem uns unicórnios e o corno de cada um é dourado, será que é banhado a ouro? Deve ser não é? O que eu sei é que é maravilhoso apenas! É um bocado cinzentão e não tem nada a ver com os nossos palácios over the top (aka Palácio da Pena) mas é giro e rústico - será que posso usar esta palavra para classificar um palácio? - e à entrada têm uma fotografia gigante do Rei e da Rainha do país. Não tirei fotografias ao exterior porque a luz natural estava péssima e todas as fotografias parecia que tinham sido tiradas por um iPhone 3G e recuso-me a publicá-las. Mas, se tiverem curiosidade, é este o castelo em questão.
Ao lado da praça principal têm uma zona comercial cheia de lojas habituais (ex: Zara, Bershka, Lush, H&M) mais caras do que aqui em Portugal. Bem, isso era óbvio, não estava a ir cheia de esperanças de vir carregada com sacos mas ainda há uma grande discrepância nos preços, por exemplo, eu queria comprar uns Vans pretos novos que aqui custam €60 e tal e lá custavam €80! Meus queridos, fiquem lá com os €20 a mais que aqui a piquena faz as compras no seu país.


Continuamos a andar e fomos dar à zona da love bridge holandesa. Porque é que todos os países têm esta ponte cheia de cadeados cheios de promessas de amor? Onde é que raio é a nossa aqui em Lisboa, alguém sabe? Quero ser lamechas por umas horas e ir lá deixar a minha marca e quando já tiver os meus 3 filhos ir lá com eles e dizer "estão a ver este cadeado? foi a mãe e o pai que meteram aqui em 2018", era querido ou não? Devaneios à parte, esta ponte não tem nem 1/3 dos cadeados que tem a de Paris mas assim não perde o seu encanto nem temos que nos preocupar se vai cair ou não com o peso das fechaduras amorosas ahah! É muito gira e tive pena de não ter comprado um na lojinha ao lado (que tem uns super pirosos cor de rosa em forma de coração!) e deixar lá, só assim para criar uma memória.


Estava a tentar fazer um esforço enorme para me tentar lembrar onde é que almoçamos nesse dia mas não consigo. Devemos ter comprado algo e comido a andar porque não tenho nenhuma lembrança de me sentar e comer para almoço nesse dia.
Fomos outra vez até ao Red Light District porque queríamos encontrar uma coisa: antes de ir, uma amiga minha super fã da Holanda disse-me "tens que encontrar a mama, está ao pé da capela" e eu fiquei um bocado confusa a pensar porque raio é que há uma capela no meio do distrito da prostituição? Não faz muito sentido não é? Fomos lá e admito que é um bocado deprimente ver aquilo de dia, as meninas na montra ali sentadas à espera do cliente. Não fazia ideia que também era um emprego tipo das 9h- 17h, achava que só trabalhavam de noite, mas cada um sabe as horas a que tem mais clientela não é verdade? 
Chegamos à capela e demos uma volta à procura da famosa mama. Estava à espera de encontrar uma maminha pintada no chão ou num poste mas a surpresa que tivemos quando encontramos uma mama rodeada por uma mão dourada no chão. Estava à espera de algo mais underground e não tão classy ahah!


Passamos também por uma ponte levadiça super antiga, ponte essa que o Van Gogh pintou e vimos esse quadro no museu no dia anterior. Não sei quanto a vocês mas acho super giro ver ao vivo aquilo que já foi pintado há tantos anos atrás, dá logo outro charme à coisa.
Mais à frente também passamos por uma zona de um canal (Jodenherengracht) onde viviam imensas famílias portuguesas judias (nunca sei se se diz judias ou judaicas, help!) e numa das casas tem um género de painel onde informa os turistas que aquela pertenceu à família Nunes da Costa (1619 - 1697), uma família que recebia diplomatas e cabeças de estado. 


Depois deste passeiozinho fomos até ao Ripleys: Believe it or Not!, um dos sítios que eu estava mais ansiosa por ir! Neste museu têm imensas coisas aleatórias desde cabeças humanas encolhidas (!!! aquilo que eu estava mais ansiosa por ver, vejam a fotografia abaixo, é demais) a réplicas de pessoas como por exemplo a mais alta do mundo (vou por aqui a fotografia da minha pessoa ao lado desta réplica, tenham em conta que eu tenho 1,56m!). 
Quando fomos às coffeeshops não foi um, nem dois, mas quase todas as pessoas que trabalhavam lá diziam "tomem qualquer coisa (erva, bolos, cogumelos, etc) e depois vão ao Ripley's, vai ser incrivel!" e assim o fizemos. Com a realidade alterada e com tudo a parecer mais engraçado do que o que realmente era, entramos no museu e o que é que eu vos posso dizer? Foi brutal! Lá dentro há um corredor de ilusão óptica em que as paredes mexem-se mas o que parece que se mexe é a "ponte" onde estamos e é um atrofio gigante! Quem me segue no instagram pode ver o instastory que tenho lá onde parece que vou morrer nesse corredor, foi incrível, adorei! Se estiverem a pensar ir a Amsterdão, este é definitivamente um local a não perder!


Depois deste momento bombástico fomos ter com um amigo meu que vive lá e fomos lanchar. Comemos num restaurantezinho mini mini mas com umas panquecas gigantes para contrastar com o espaço que tinhamos (panquecas essas que foram super baratas, como vos falei em cima). Um dos sitios que nos faltava ir era o The Sex Museum, queria ir lá porque houve pessoas que me disseram que ficaram chocadas com aquilo que viram e eu, amante do choque como sou fiquei toda entusiasmada. 
Não fiquei chocada, não sei se é por eu ser difícil de deixar num estado de petrificação ou se simplesmente é tudo ok mas fartei-me de rir. Há lá uma parte que é de sado masoquismo, bondage, alterações das partes genitais que é uma risada imensa! Até punha aqui umas fotografias mas não quero chocar a sensibilidade de algumas pessoas!
Ainda jantamos naquela zona num italiano - mais uma vez não me lembro do nome - que tinha um empregado português (é sempre bom encontrar compatriotas noutros países) e comemos optimamente bem! Ainda levamos um resto para o hotel porque não conseguimos comer tudo!


Depois do jantar despedimo-nos do meu amigo B. e ficamos a dar umas voltinhas na zona antes de voltar para o hotel. Eu e o F. somos mesmo uns velhos, somos aquele casal que adora estar às 22h/22h30 na cama e em Amsterdão fizemos isso quase todos os dias. Nenhum de nós é amante da noite ou de ficar em bares até às tantas e preferimos muito mais aproveitar o dia, por isso mesmo fomos dormir.

to be continued...

PS: todas as fotografias são da minha autoria, NÃO USAR sem pedir autorização previamente